Artigos

Roteiro de viagem por San Dieg
Postado em 30/05/2016

Fonte: Casa Vogue

 
 
Quando se pensa em cidades californianas, Los Angeles e San Francisco vêm logo à mente, duas metrópoles que habitam o inconsciente coletivo cultural. Porém, um pouco mais ao sul, fora do radar, San Diego nos conquista com seu rico conjunto urbano, tanto pelo passado histórico – foi o primeiro município a se estabelecer na Califórnia – quanto pelos destaques de arquitetura moderna e contemporânea.
 

O United States Courthouse (2012), tribunal assinado por Richard Meier

O mix eclético, no qual o modernismo californiano se mistura à herança do período colonial espanhol, com direito a vários revivals estilísticos, já pode ser obervado na área de Downtown. O antigo distrito de Gaslamp Quarter, com prédios da era vitoriana, nutre-se do contraste entre estes e elegantes edificações art déco, além de exemplos da escola moderna do sul do estado surgida nos anos 1950 e 1960.

Aos tradicionais brises-soleils verticais da San Diego County Courthouse, de 1961, contrapõe-se uma releitura atual do brise feita por Richard Meier (foto acima), para um segundo tribunal localizado bem do outro lado da rua (este, do governo federal, erguido em 2012).
 
Uma das maiores estruturas de treliça do mundo, o Botanical Building (1915), dentro do Balboa Park, conserva mais de 2 mil espécies de plantas
 
Um dos orgulhos locais é o Balboa Park. Maior que o Central Park nova-iorquino, ele é famoso pela alameda principal El Prado, onde se alinham edifícios variados que compõem um grupo de mais de 12 museus, de arte e fotografia contemporânea a ferrovias. Mas é a exuberância da flora ao redor que mais chama a atenção.

No Cactus Garden, de 1935, uma vasta coleção de cactos e suculentas conserva alguns exemplares tão esculturais que chegam a lembrar criações de Louise Bourgeois. E no Botanical Building (foto acima), mais de 2 mil espécies de plantas abrigam-se do sol debaixo de uma monumental cobertura de treliça construída em 1915. 
 
Hotel del Coronado (1888), antigo playground de astros de Hollywood
 
Mesmo a cerca de duas horas do glamour de Hollywood, San Diego tem seu lugar garantido na história do cinema: o clássico Quanto Mais Quente Melhor, com Marilyn Monroe, Jack Lemmon e Tony Curtis, foi filmado lá, no Hotel del Coronado (acima).

Erguido em 1888, com estrutura de madeira, The Del, como é conhecido, é um dos mais cultuados exemplos dos resorts americanos de estilo vitoriano. Na época de ouro de Hollywood, era o playground de estrelas como Rodolfo Valentino, Mae West, Charlie Chaplin e Clark Gable
 

A instalação Fallen Star, 2012, do coreano Do-Ho Suh, paira sobre o campus da UCSD, do alto da Escola de Engenharia)

Mais ao norte, no distrito de La Jolla, reconhecido por alojar avançados centros de pesquisas, o pensamento aberto que leva a descobertas nas ciências se estende para a inovação na arte e na arquitetura. No campus da University of California San Diego – UCSD, o artista coreano Do-Ho Suh instalou sua obra Fallen Star (acima), uma casa-escultura pendurada na borda do sétimo andar de um dos prédios. Apropriadamente, o trabalho que desafia a gravidade está ancorado no topo da Escola de Engenharia.
 
Geisel Library (1970), projeto de William Pereira
 
A menos de um quilômetro dali, um outro edifício do campus tornou-se referência da arquitetura brutalista americana – a Geisel Library (foto acima), projeto de 1970 de William Pereira, nascido em Chicago.

Amante da ficção científica, ele aplicava ao seu trabalho uma visão futurística perceptível também no Transamerica Pyramid, torre mais alta de San Francisco – não surpreende que um de seus estudantes na University of Southern California tenha sido Frank Gehry. Na Geisel Library, Pereira elevou a biblioteca sobre colunas de concreto aparente que sustentamum volume algo cubista. 
 

O Salk Institute (1965), projeto máximo do americano Louis Kahn, é lugar de peregrinação obrigatória para todo aficionado da arquitetura 

Mas a obra principal do repertório de La Jolla fica por conta de outro arquiteto da mesma fase, o legendário Louis Kahn. Jonas Salk, cientista que descobriu e desenvolveu a vacina da poliomielite, desafiara Kahn a criar uma sede para o seu instituto de pesquisas, Salk Institute (foto acima), que fosse digna de uma visita de Pablo Picasso.

A resposta do arquiteto veio na forma de um complexo em que todos os elementos se integramem sincronia – materiais, volumes, implantação, organização espacial interior e exterior, respeito ao programa e até alinhamento com a orientação solar. Ali, uma verdadeira sinfonia arquitetônica culmina numa praça central de sutileza capaz de nos lembrar que o devaneio imaginativo é tão importante para a arte como para a ciência.
 
San Diego County Administration Center (1938), que combina elementos art déco como estilo neocolonial espanhol
 
Depois de tanta arquitetura, nada como buscar um pouco de natureza para descansar o olhar. Atrás do Salk Institute fica uma trilha de onde se pode ver a praia de Black Beach, bairro ultraexclusivo de La Jolla Farms, com megamansões e a reserva ecológica de Torrey Pines. Panoramas deslumbrantes do Oceano Pacífico remetemao que diz Paulo Mendes da Rocha: “A geografia é a arquitetura primordial”. Em San Diego, a afirmação do mestre não poderia estar mais correta.